cine950.png

cine950.png
Blog dedicado a divulgação do Projeto História e Cinema, que discute o cinema como ferramenta pedagógica no trabalho com a disciplina História.

sábado, 7 de dezembro de 2013

A violência perto de nós

vlcsnap-2013-12-02-11h20m26s252

Dando continuidade as discussões do tema Mídia, sociedade e violência urbana, chegamos na reta final do nosso programa para o biênio 2012-2013. Essa postagem resumirá os trabalhos com os dois últimos eixos, Violência e tráfico de drogas e Violência e Escola.

notícias de uma guerra particular 2

Para o IV eixo Violência e tráfico de drogas, o meu objetivo era estabelecer uma relação direta com o que havíamos trabalhado no eixo anterior Violência e corrupção social. Aliás, essa foi uma constante desde o começo de 2012, pois a ideia dos subtemas foi nascendo a partir do que planejávamos para o anterior. Assim, ao pensarmos as atividades do I eixo Violência e desigualdade social, germinou a necessidade de chegarmos a uma reflexão sobre o sistema prisional, que foi o II eixo que discutimos. Assim, sucedeu-se com todos os outros subtemas.

Encerrados os dois primeiros eixos em 2012, tínhamos como missão discutirmos os três últimos em 2013. No primeiro semestre trabalhamos A violência e a corrupção social, em que focamos na relação entre a violência e a cultura de corrupção que alimentamos com os atos de corrupção praticados no cotidiano. Quem vem acompanhando o blog viu que a cada eixo trabalhado, postei um resumo dos eventos, bem como algumas das produções textuais dos alunos.

Todos os eixos foram trabalhados a partir de discussões em sala de aula, leitura de textos e da exibição de um longa-metragem que nos levava sempre a outras discussões, entre elas a própria construção imagética da e a partir da realidade. Ao longo do projeto fomos usando várias táticas de utilização do cinema em sala de aula. Nem sempre exibimos o filme inteiro, como por exemplo em Tropa de Elite 2 (Violência e corrupção social), onde selecionamos as cenas que exemplificavam o que havíamos estudado nos textos; Em Cidade de Deus (Violência e desigualdade social), procuramos discutir algo além da mera exemplificação, pois refletimos sobre a estética cinematográfica da violência, em contraponto ao uso do cinema documentário, como fizemos em O Prisioneiro da grade de ferro (Violência e sistema prisional). Aliás, foi uma estratégia usar tanto filmes de ficção baseados em fatos reais como documentários, pois pudemos avaliar o diferente impacto que esses gêneros tem nos alunos nas aulas de História.

No quarto eixo Violência e tráfico de drogas, exploramos o filme Notícias de uma guerra particular, dirigido por João Moreira Sales e Kátia Lund, já que a ideia era apresentar uma abrangência social maior em relação ao estereótipo do bandido. Queríamos discutir a violência atrelada ao uso de drogas ilícitas para, de certa forma, amarrarmos toda a discussão do tema Mídia, sociedade e violência urbana, pois no contexto do tráfico enxergamos a presença de todos os elementos que tratamos anteriormente.

notícias de uma guerra particular

DSC03968

DSC03975

DSC04105

DSC04106

Faço menção aqui a importante participação durante os trabalhos desse eixo do nosso colega Valdir Estrela. Terminando o curso de Geografia, Valdir, ex-aluno do CEJA Joaquim Gomes Basílio, havia participado do Projeto História e Cinema ainda em sua fase embrionária, quando este, de maneira experimental, tinha como público-alvo os alunos do cursinho pré-vestibular que funcionava na escola. Agora como estagiário, Valdir capitaneou as discussões em sala de aula, explorando a questão urbana relacionada ao uso e distribuição das drogas, tanto no que se refere ao espaço quanto no aprofundamento das mazelas sociais a partir dessa reorganização espacial.

DSC04112

DSC04115

Coube mais uma vez a professora Gorete Fonseca a tarefa de coordenar a produção textual com os alunos. A partir de uma rediscussão em sala de aula do que haviam visto no filme, e com base no que Valdir e eu apresentamos como ponto de inquietação do problema, os alunos escreveram as suas opiniões, que foram publicadas no mural expositor da escola e aqui no blog. Segue uma amostra dos textos:

A violência ainda está tomando conta das pessoas como no tráfico de drogas, tem crianças já com a intenção de quando crescer e seguir a vida do tráfico de drogas e também no tráfico de armas.

O documentário retrata o cotidiano dos traficantes e moradores de uma favela, entrevista pessoas ligadas diretamente ao tráfico de entorpecentes com moradores que vislumbram esta rotina de perto e policiais. Traça um paralelo entre as falas de moradores, dos traficantes e da polícia, colocando todos no mesmo patamar de envolvimento em uma guerra que não é uma “guerra civil”, mas uma “guerra particular”.

A polícia precisa ser corrupta e violenta , temos que manter os excluídos sob controle. Vivemos numa sociedade injusta e a polícia garante essa sociedade injusta.

Selma Raisa de Souza Cavalcante

Hoje estão morrendo muito jovens e pessoas inocentes, policiais, por conta da guerra contra o tráfico de drogas. Jovens e crianças entram no tráfico muito cedo, uns porque querem e outros por falta de oportunidade. Por isso morrem muito cedo, ou vão para a prisão cumprir medida socioeducativa, só que não resolve. Eles falam que quando saírem dos centros socioeducativos farão as mesmas coisas, ou seja, traficar, matar e roubar.

Policiais sobem o morro para matar traficantes e pessoas inocentes que moram ali, porque não têm outro lugar e são obrigados a viver no meio da guerra entre traficantes e policiais. O traficantes usam as mesmas armas, lutam de igual para igual com o mesmo poder de fogo. Alguns policiais são corruptos e recebem propina dos traficantes para livrá-los dos flagrantes, outros, fazem questão de matar, sentem orgulho. Os traficantes também matam policiais e até traficantes que traem o esquema existente na localidade. Essa é uma guerra difícil de ser exterminada.

Eliane Iziderio

As drogas

Com mecanismo de uma bruta ilusão

e não sentir o que é real.

O que é viver, o que é ser,

se já não sente se ser drogado

é ânsia de não ter querer.

Para que fugir

se os problemas sempre vão amanhecer com você.

E não tem fim.

Drogas, querer usar mais...

Drogas, há tanta coisa pra saber...

São tantos rumos pra tomar, são tantas provas pra vencer,

Mas como? Se você em uma seringa

procurar se esconder,

pra não enfrentar a covardia sempre vai te perturbar,

vai acabar com você.

Maria Zulenir dos Santos

O tráfico de drogas tem a finalidade de prejudicar as famílias, causando sofrimento e terror na sociedade.

É muito fácil entrar no mundo das drogas pelo fato de poder ganhar mais que os salários das fábricas e com mais facilidade.

O traficante tem o poder nas mãos como dinheiro e armamento de grande porte. Quanto as famílias dos morros, muitas vezes tem mais segurança com os traficantes do que com os policiais, pelo fato de dividirem o mesmo espaço.

O tráfico de drogas é um meio errado de se obter dinheiro e poder. É necessário que as autoridades competentes tomem providências, não deixando que pessoas inocentes paguem pelo erro dos traficantes. É necessário que a polícia saiba a quem abordar nas buscas aos bandidos.

Marcos Antônio Barreto

Bem, chegando ao final dos eventos, enfim o último eixo: Violência e escola. Queríamos desde o começo que as discussões fossem se aproximando de nossa maior preocupação, ou dizendo de outra forma, de nossa preocupação mais específica, nossos alunos, o ambiente escolar. Tudo o que discutimos tem como finalidade maior entendermos o mundo caótico e violento em que vivemos, para que possamos efetivamente transformá-lo. A questão é pensar e acreditar que o exterior pode começar a ser mudado a partir do interior das escolas, com uma formação mais humana de nossos alunos. No entanto, sabemos que a escola também é um espaço onde a violência se apresenta perigosamente. E um dos exemplos mais comuns de violência intramuros da escola atende pelo nome de Bullying.

bullying 

Sabemos que nossos alunos da EJA não vivem tão intensamente esse problema, que é mais típico das escolas onde a presença de adolescentes é maior, mas de maneira alguma podemos imaginar que não se pode enfrentar esse tipo de situação. Entretanto, entendi que essa discussão seria importante porque a maioria de nossos alunos são pais de família, que enfrentam potencialmente essa situação com seus filhos, e que poderíamos levantar questões importantes a partir dessa discussão.

Então, como culminância de nosso trabalho com o tema Mídia, Sociedade e Violência Urbana, convidamos a professora Maria de Fática Simão Lira, conselheira tutelar em Brejo Santo, com muita experiência no trabalho com esse problema nas escolas de nosso município, para ministrar uma palestra para nossos alunos.

DSC04157

DSC04152

DSC04150

DSC04163

DSC04164

Conforme combinamos anteriormente, Fátima explanou sobre o conceito de Bullying, como ele se apresenta nas escolas, diferenciando o Bullying físico do psicológico, alertando a todos nós das consequências desse problema para as vítimas, nossos filhos, nossos alunos, nós mesmos.

Ao final da palestra, tivemos o imenso prazer de encerrarmos nossas exibições com o filme Bullying Extremo, do roteirista e diretor Wellen Araújo. O filme explora todas as questões levantadas por Fátima durante a palestra, e possui uma peculiaridade, teve como locação as dependências do CEJA.

vlcsnap-2013-12-02-11h26m36s110

Em 2011, ao concluírem o curso E-jovem, Wellen e seus colegas de curso, tinham que montar um vídeo usando os recursos do programa de estavam estudando. Assim, tiveram a ideia de escrever um roteiro sobre algo que tivesse uma relação com a escola, algo que tivesse um valor pedagógico. Escolheram, assim, o tema Bullying. Então, com pouquíssimos recursos (basicamente uma câmara digital portátil) e enorme criatividade e senso de cinematografia, realizaram um trabalho excelente e de grande valor educativo, que aliás, já usei em outras escolas, sempre com uma receptividade maravilhosa por parte dos alunos e professores.

vlcsnap-2013-12-02-11h27m52s97

Esse filme pode ser visto no youtube, ou aqui mesmo no blog:

Pessoal, obrigado pela leitura das postagens. Esse discussão não chegou ao final, com certeza, mas espero ter lançado alguma luz nessa reflexão. Dentro de minhas limitações pessoais, profissionais e circunstanciais, esforcei-me para realizar tudo a contendo. Se não consegui, espero que me perdoem. Agradeço a todos os profissionais que trabalharam nesse biênio. De coração, agradeço pelo empenho. Sabemos que podemos divergir em ideias, mas se focarmos no crescimento da escola e de nossos educandos, teremos êxito.

Agradeço especialmente ao núcleo gestor do CEJA Joaquim Gomes Basílio, escola que abrigou e deu todo o suporte necessário para que esse trabalho fosse realizado. Sempre entendendo a importância do projeto e dando atenção as solicitações, vocês cumpriram a missão de qualquer grupo dirigente: permitir e contribuir para o crescimento dos alunos, incentivando a participação dos professores e oferecendo a logística necessária para a efetivação do que foi planejado. A Maria do Carmo, Lourdes, Josmey, Leda E Maria Helena, meus sinceros agradecimentos.

E por último, obrigado aos alunos que nos acompanharam nesse trajeto. Com paciência, com graus de engajamento variável, é claro, em qualquer escola é assim, mas compreendendo a importância de se pensar as questões que propomos, eu espero que tenhamos contribuído para a formação de vocês. Valeu, pessoal, até a próxima!

Aguardo os comentários.